sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Nascer a partir do Encontro com o Cristo - Parte III (Agir)


Dando sequência a reflexão sobre o que o 10o. Plano de Pastoral da Arquidiocese de São Paulo traz sobre o Nascer, refletimos neste texto a partir das motivações que o Plano traz sobre o Agir.

A missão pastoral a partir do Documento de Aparecida convoca-nos a contemplar, nos rostos sofredores de nossos irmãos, o rosto de Cristo e a servi-lo neles. “De nossa fé em Cristo nasce também à solidariedade como atitude permanente de encontro, irmandade e serviço” (DAp 393-394). Na concretização deste Plano de Pastoral, queremos dar atenção aos migrantes e imigrantes; moradores de rua; doentes e enfermos; dependentes químicos; detidos e egressos do sistema prisional; crianças, adolescentes e jovens; populações indígenas; e desempregados (DAp 407-430). “Eles desafiam o núcleo do trabalho da Igreja, da pastoral e de nossas atitudes cristãs” (DAp 394).

Nosso Cardeal, D. Odilo, constata que é uma exigência evangélica “redescobrir o valor da própria fé, a razão da pertença à Igreja e a alegria de crer. Uma fé apenas superficial é como planta sem raiz profunda que, ao primeiro sol quente, seca, ou é arrancada pelo vento forte. Nossa fé é preciosa. [...] A nova atitude missionária, tão necessária à Igreja Católica no Brasil, vai ser possível somente se houver católicos profundamente apaixonados por Jesus Cristo e serenamente amantes da sua Igreja. E disso nascerão também os desejados novos frutos da fé, através do testemunho da caridade e do serviço à sociedade e da edificação do mundo, segundo as propostas e valores do reino de Deus”

O 10º. Plano quer anunciar e testemunhar a alegria e a esperança que nascem do encontro com o Senhor pela fé. “Conhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber. Tê-lo encontrado foi o melhor que aconteceu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria” (DAp 29).

Neste tempo de reflexão que o Natal nos convida, reflitamos sobre o quanto foi possível refletir, discutir e praticar essas motivações do Plano de Pastoral. Esse é o Plano norteador das ações entre 2009 a 2012. Estamos na metade da Jornada.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Conheça os deputados que votaram contra (Não) e a favor (Sim) da proposta de reajuste salarial

Nas próximas eleições lembre-se de como seu parlamentar votou.
Anote o nome de seu parlamentar e acompanhe o seu mandato.
Tão ou ainda mais importante do que as eleições para o Executivo,
são as eleições para o Legislativo,
lembre-se disso!

Acre (AC)
Flaviano Melo (PMDB) Sim
Henrique Afonso (PV) Não
Sergio Petecão (PMN) Sim
Total Acre: 3


Alagoas (AL)
Antonio Carlos Chamariz (PTB) Sim
Benedito de Lira (PP) Sim
Francisco Tenorio (PMN) Sim
Givaldo Carimbão (PSB) Sim
Joaquim Beltrão (PMDB) Sim
Maurício Quintella Lessa (PR) Sim
Total Alagoas: 6


Amapá (AP)
Evandro Milhomen (PCdoB) Sim
Janete Capiberibe (PSB) Sim
Jurandil Juarez (PMDB) Sim
Sebastião Bala Rocha (PDT) Sim
Total Amapá: 4


Amazonas (AM)
Átila Lins (PMDB) Sim
Rebecca Garcia (PP) Sim
Silas Câmara (PSC) Sim
Total Amazonas: 3


Bahia (BA)
Alice Portugal (PCdoB) Sim
Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM) Sim
Claudio Cajado (DEM) Sim
Colbert Martins (PMDB) Sim
Daniel Almeida (PCdoB) Sim
Edson Duarte (PV) Sim
Fábio Souto (DEM) Sim
Félix Mendonça (DEM) Sim
Geraldo Simões (PT) Sim
João Carlos Bacelar (PR) Sim
João Leão (PP) Sim
Jorge Khoury (DEM) Sim
José Carlos Aleluia (DEM) Sim
José Carlos Araújo (PDT) Sim
José Rocha (PR) Sim
Luiz Alberto (PT) Sim
Luiz Bassuma (PV) Não
Márcio Marinho (PRB) Sim
Marcos Medrado (PDT) Sim
Mário Negromonte (PP) Sim
Maurício Trindade (PR) Sim
Nelson Pellegrino (PT) Sim
Paulo Magalhães (DEM) Sim
Roberto Britto (PP) Sim
Sérgio Barradas Carneiro (PT) Sim
Sérgio Brito (PSC) Sim
Severiano Alves (PMDB) Sim
Uldurico Pinto (PHS) Sim
Veloso (PMDB) Sim
Walter Pinheiro (PT) Sim
Zezéu Ribeiro (PT) Sim
Total Bahia: 31


Ceará (CE)
Aníbal Gomes (PMDB) Sim
Ariosto Holanda (PSB) Sim
Eugênio Rabelo (PP) Sim
Flávio Bezerra (PRB Sim
José Guimarães (PT) Sim
Paulo Henrique Lustosa (PMDB) Sim
Zé Gerardo (PMDB) Sim
Total Ceará: 7


Distrito Federal (DF)
Alberto Fraga (DEM) Sim
Augusto Carvalho (PPS) Não
Jofran Frejat (PR) Sim
Magela (PT) Não
Tadeu Filippelli (PMDB) Sim
Total Distrito Federal: 5


Espírito Santo (ES)
Camilo Cola (PMDB) Sim
Capitão Assumção (PSB) Não
Jurandy Loureiro (PSC) Sim
Lelo Coimbra (PMDB) Não
Manato (PDT) Sim
Rita Camata (PSDB) Sim
Sueli Vidigal (PDT) Não
Total Espírito Santo: 7


Goiás (GO)
Carlos Alberto Leréia (PSDB) Sim
Luiz Bittencourt (PMDB) Sim
Marcelo Melo (PMDB) Sim
Pedro Wilson (PT) Sim
Professora Raquel Teixeira (PSDB) Sim
Roberto Balestra (PP) Sim
Total Goiás: 6


Maranhão (MA)
Davi Alves Silva Júnior (PR) Sim
Gastão Vieira (PMDB) Sim
Julião Amin (PDT) Sim
Pedro Fernandes (PTB) Sim
Pedro Novais (PMDB) Sim
Pinto Itamaraty (PSDB) Sim
Professor Setimo (PMDB) Sim
Ribamar Alves (PSB) Sim
Waldir Maranhão (PP) Sim
Zé Vieira PR (Sim)
Total Maranhão: 10


Mato Grosso (MT)
Carlos Abicalil (PT) Sim
Carlos Bezerra (PMDB) Sim
Eliene Lima (PP) Sim
Homero Pereira (PR) Sim
Thelma de Oliveira (PSDB) Sim
Valtenir Pereira (PSB) Sim
Wellington Fagundes (PR) Sim
Total Mato Grosso: 7


Mato Grosso do Sul (MS)
Antônio Carlos Biffi (PT) Sim
Antonio Cruz (PP) Sim
Dagoberto (PDT) Sim
Geraldo Resende (PMDB) Sim
Marçal Filho (PMDB) Sim
Nelson Trad (PMDB) Sim
Vander Loubet (PT) Não
Waldemir Moka (PMDB) Sim
Total Mato Grosso do Sul: 8


Minas Gerais (MG)
Ademir Camilo (PDT) Sim
Aelton Freitas (PR) Sim
Alexandre Silveira (PPS) Sim
Antônio Andrade (PMDB) Sim
Antônio Roberto (PV) Sim
Aracely de Paula (PR) Sim
Bilac Pinto (PR) Sim
Carlos Willian (PTC) Sim
Ciro Pedrosa (PV) Sim
Edmar Moreira (PR) Sim
Eduardo Barbosa (PSDB) Sim
Fábio Ramalho (PV) Sim
Gilmar Machado (PT) Sim
Humberto Souto (PPS) Sim
Jairo Ataide (DEM) Sim
Jô Moraes (PCdoB) Sim
João Magalhães (PMDB) Sim
José Santana de Vasconcellos (PR) Sim
Júlio Delgado (PSB) Sim
Lael Varella (DEM) Sim
Leonardo Quintão (PMDB) Sim
Luiz Fernando Faria (PP) Sim
Márcio Reinaldo Moreira (PP) Sim
Marcos Lima (PMDB) Sim
Marcos Montes (DEM) Sim
Maria Lúcia Cardoso (PMDB) Sim
Mário Heringer (PDT) Sim
Mauro Lopes (PMDB) Sim
Miguel Martini (PHS) Sim
Narcio Rodrigues (PSDB) Sim
Odair Cunha (PT) Sim
Paulo Abi-Ackel (PSDB) Sim
Paulo Piau (PMDB) Sim
Reginaldo Lopes (PT) Sim
Silas Brasileiro (PMDB) Sim
Virgílio Guimarães (PT) Sim
Vitor Penido (DEM) Sim
Total Minas Gerais: 37


Pará (PA)
Ann Pontes (PMDB) Sim
Asdrubal Bentes (PMDB) Sim
Bel Mesquita (PMDB) Sim
Beto Faro (PT) Sim
Elcione Barbalho (PMDB) Sim
Gerson Peres (PP) Sim
Giovanni Queiroz (PDT) Sim
Lira Maia (DEM) Sim
Lúcio Vale (PR) Sim
Paulo Rocha (PT) Sim
Wladimir Costa (PMDB) Sim
Zé Geraldo (PT) Sim
Zenaldo Coutinho (PSDB) Sim
Total Pará: 13


Paraíba (PB)
Armando Abílio (PTB) Sim
Luiz Couto (PT) Não
Major Fábio (DEM) Não
Manoel Junior (PMDB) Sim
Marcondes Gadelha (PSC) Sim
Rômulo Gouveia (PSDB) Sim
Vital do Rêgo Filho (PMDB) Sim
Wellington Roberto (PR) Sim
Wilson Braga (PMDB) Sim
Total Paraíba: 9


Paraná (PR)
Alceni Guerra (DEM) Sim
Alex Canziani (PTB) Sim
Alfredo Kaefer (PSDB) Não
Andre Vargas (PT) Sim
Angelo Vanhoni (PT) Sim
Assis do Couto (PT) Não
Cassio Taniguchi (DEM) Sim
Cezar Silvestri (PPS) Sim
Dilceu Sperafico (PP) Sim
Gustavo Fruet (PSDB) Não
Luiz Carlos Hauly (PSDB) Sim
Luiz Carlos Setim (DEM) Sim
Marcelo Almeida (PMDB) Não
Moacir Micheletto (PMDB) Sim
Nelson Meurer (PP) Sim
Odílio Balbinotti (PMDB) Sim
Osmar Serraglio (PMDB) Sim
Ratinho Junior (PSC) Sim
Reinhold Stephanes (PMDB) Não
Ricardo Barros (PP) Sim
Rodrigo Rocha Loures (PMDB) Sim
Takayama (PSC) Não
Wilson Picler (PDT) Sim
Total Paraná: 23


Pernambuco (PE)
Ana Arraes (PSB) Sim
Bruno Rodrigues (PSDB) Sim
Carlos Eduardo Cadoca (PSC) Sim
Eduardo da Fonte (PP) Sim
Fernando Coelho Filho (PSB) Sim
Fernando Ferro (PT) Sim
Gonzaga Patriota (PSB) Sim
Inocêncio Oliveira (PR) Não votou porque estava presidindo a sessão
José Mendonça Bezerra (DEM) Sim
Maurício Rands (PT) Sim
Pedro Eugênio (PT) Sim
Raul Henry (PMDB) Sim
Raul Jungmann (PPS) Não
Wolney Queiroz (PDT) Sim
Total Pernambuco: 14


Piauí (PI)
Átila Lira (PSB) Sim
Ciro Nogueira (PP) Sim
José Maia Filho (DEM) Sim
Júlio Cesar (DEM) Sim
Marcelo Castro (PMDB) Sim
Osmar Júnior (PCdoB) Sim
Paes Landim (PTB) Sim
Total Piauí: 7


Rio de Janeiro (RJ)
Alexandre Santos (PMDB) Sim
Antonio Carlos Biscaia (PT) Sim
Bernardo Ariston (PMDB) Sim
Carlos Santana (PT) Sim
Chico Alencar (PSOL) Não
Cida Diogo (PT) Não

Dr. Adilson Soares (PR) Sim
Dr. Paulo César (PR) Sim
Edmilson Valentim (PCdoB) Sim
Edson Ezequiel (PMDB) Sim
Eduardo Cunha (PMDB) Sim
Fernando Gabeira (PV) Não
Filipe Pereira (PSC) Sim
Geraldo Pudim (PR) Sim
Hugo Leal (PSC) Sim
Indio da Costa (DEM) Sim
Jair Bolsonaro (PP) Sim
Léo Vivas (PRB) Sim
Nelson Bornier (PMDB) Sim
Paulo Rattes (PMDB) Sim
Rodrigo Maia (DEM) Sim
Silvio Lopes (PSDB) Abstenção
Simão Sessim (PP) Sim
Solange Almeida (PMDB) Sim
Solange Amaral (DEM) Sim
Vinicius Carvalho (PTdoB) Sim
Total Rio de Janeiro: 26


Rio Grande do Norte (RN)
Henrique Eduardo Alves (PMDB) Sim
Rogério Marinho (PSDB) Sim
Total Rio Grande do Norte: 2


Rio Grande do Sul (RS)
Cláudio Diaz (PSDB) Sim
Darcísio Perondi (PMDB) Sim
Emilia Fernandes (PT) Abstenção
Fernando Marroni (PT) Sim
Germano Bonow (DEM) Sim
José Otávio Germano (PP) Sim
Luciana Genro (PSOL) Não
Luis Carlos Heinze (PP) Sim
Marco Maia (PT) Sim
Mendes Ribeiro Filho (PMDB) Sim
Osmar Terra (PMDB) Sim
Paulo Pimenta (PT) Não
Paulo Roberto Pereira (PTB) Sim
Pompeo de Mattos (PDT) Sim
Renato Molling (PP) Sim
Sérgio Moraes (PTB) Sim
Vieira da Cunha (PDT) Sim
Vilson Covatti (PP) Sim
Total Rio Grande do Sul: 18


Rondônia (RO)
Agnaldo Muniz (PSC) Abstenção
Eduardo Valverde (PT) Não
Ernandes Amorim (PTB) Não
Mauro Nazif (PSB) Não

Moreira Mendes (PPS) Sim
Total Rondônia: 5


Roraima (RR)

Angela Portela (PT) Sim
Edio Lopes (PMDB) Sim
Francisco Rodrigues (DEM) Sim
Luciano Castro (PR) Sim
Marcio Junqueira (DEM) Sim
Maria Helena (PSB) Sim
Total Roraima: 6


Santa Catarina (SC)
Angela Amin (PP) Sim
Celso Maldaner (PMDB) Sim
Décio Lima (PT) Não
João Matos (PMDB) Sim
Mauro Mariani (PMDB) Sim
Paulo Bauer (PSDB) Sim
Valdir Colatto (PMDB) Sim
Vignatti (PT) Sim
Zonta (PP) Sim
Total Santa Catarina: 9


São Paulo (SP)
Abelardo Camarinha (PSB) Sim
Aldo Rebelo (PCdoB) Sim
Antonio Bulhões (PRB) Sim
Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) Sim
Arnaldo Jardim (PPS) Sim
Beto Mansur (PP) Sim
Carlos Sampaio (PSDB) Sim
Carlos Zarattini (PT) Sim
Celso Russomanno (PP) Sim
Devanir Ribeiro (PT) Sim
Dr. Nechar (PP) Sim
Dr. Talmir (PV) Não
Dr. Ubiali (PSB) Sim
Edson Aparecido (PSDB) Sim
Emanuel Fernandes (PSDB) Não
Fernando Chiarelli (PDT) Não

Francisco Rossi (PMDB) Sim
Guilherme Campos (DEM) Sim
Ivan Valente (PSOL) Não
Jilmar Tatto (PT) Sim
João Dado (PDT) Sim
Jorginho Maluly (DEM) Sim
José C Stangarlini (PSDB) Não
José Genoíno (PT) Sim
Lobbe Neto (PSDB) Sim
Luiza Erundina (PSB) Não
Marcelo Ortiz (PV) Sim
Milton Monti (PR) Sim
Milton Vieira (DEM) Sim
Nelson Marquezelli (PTB) Sim
Paes de Lira (PTC) Não
Paulo Pereira da Silva (PDT) Sim
Paulo Teixeira (PT) Sim
Regis de Oliveira (PSC) Não
Renato Amary (PSDB) Sim
Ricardo Tripoli (PSDB) Sim
Roberto Alves (PTB) Sim
Roberto Santiago (PV) Sim
Vanderlei Macris (PSDB) Sim
Vicentinho (PT) Sim
Walter Ihoshi (DEM) Sim
William Woo (PPS) Sim
Total São Paulo: 42


Sergipe (SE)
Iran Barbosa (PT) Não

José Carlos Machado (DEM) Sim
Pedro Valadares (DEM) Sim
Valadares Filho (PSB) Sim
Total Sergipe: 4


Tocantins (TO)
Eduardo Gomes (PSDB) Sim
João Oliveira (DEM) Sim
Laurez Moreira (PSB) Sim
Lázaro Botelho (PP) Sim
Moises Avelino (PMDB) Sim
NIlmar Ruiz (PR) Sim
Total Tocantins: 6

http://www.cebs-sul1.com.br/

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Nascer a partir do Encontro com o Cristo - Parte II (Julgar)


Nesse tempo do advento destacamos em postagem anterior (13/12) os pontos em que o 10º Plano de Pastoral da Arquidiocese de São Paulo destacaram sobre o “nascer”, a partir do VER. Seguimos esta reflexão sobre o JULGAR.

Povo enviado a anunciar o Evangelho
A orientação de Jesus sobre a missão da Igreja segue passos bem claros: sair em busca de todos, indistintamente; proclamar o Evangelho; testemunhar e despertar a fé; fazer discípulos; batizá-los em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinar a cumprir tudo o que ele mandou. Assim o entendeu a Igreja nascente. Os Apóstolos e as primeiras comunidades cristãs estavam dispostos a dar a própria vida pelo anúncio do Evangelho.

Povo que caminha a serviço da vida, da justiça e da esperança
A ação missionária deve influenciar a construção de um tecido social pautado na garantia da vida, na prática da justiça, na esperança e na alegria, que nascem da fé e do discipulado, e que penetra a totalidade da vida. Finalmente, o que mais contribui para manifestar a presença de Deus é “a caridade fraterna dos fiéis que unanimemente colaboram com a fé do Evangelho e se apresentam como sinal de unidade” (GS 21e).

Povo chamado a ser sujeito de transformação social
O serviço de caridade caracteriza de maneira decisiva a vida cristã, o estilo eclesial e a programação pastoral, pois, do encontro com Cristo, nasce o encontro do outro. Uma das conseqüências do encontro com Cristo, pelo anúncio da boa nova, é a mudança das relações sociais e do meio ambiente em que cada batizado se encontra. O discípulo-missionário não se deixa escravizar pelas diferentes formas de consumismo individualista e de paternalismo, mas procura manifestar, em opções e gestos concretos de doação, sua opção pelo Reino de Deus.

O encontro pessoal com Cristo, fonte de missão e conversão pastoral
O discípulo-missionário não nasce da leitura de um livro e nem de uma decisão ética. Nasce “do encontro com um acontecimento, uma pessoa, que dá um novo horizonte à vida, e, com isso, uma orientação decisiva” (DCE 12). O encontro com o Ressuscitado conduz às dimensões profundas de nossa realidade e de nossa identidade de cristãos. “O acontecimento de Cristo é, portanto, o início desse sujeito novo que surge na história, a quem chamamos discípulo” (DCE 1). Pela força desse acontecimento, a comunidade eclesial revigora sua vocação missionária de anunciar e testemunhar o Senhor Ressuscitado, com renovado ardor e entusiasmo (cf. DAp 243).

Renovação das estruturas eclesiais, a serviço da missãoA renovação missionária das paróquias exige de todos imaginação e criatividade para chegar às multidões que desejam o Evangelho É, portanto, urgente a renovação de estruturas pastorais que nasceram em outras épocas(cf. DAp 173).

sábado, 18 de dezembro de 2010

Que choro é esse?

J. Thomaz Filho

Que choro é esse que merece consolo? Que consolo é esse? Não se trata, portanto, da alegria que nos faz chorar. Não se trata do choro de alegria (Mt 5,4), pois este choro já traz em si uma satisfação, é reflexo dessa satisfação, é o choro da conquista, o choro por ter vencido a competição, por sentir-se reconhecido como melhor do que os outros. É o choro da satisfação que só inclui a mim mesmo e aos meus, tendo deixado tantos para trás! É o choro que traduz o riso dos fartos, dos que dão conta do recado, dos que já não precisam dos outros. Nem de Deus! Nem de consolo!

Não se trata tampouco da lamentação dos invejosos, que se roem por não terem chegado lá; do remorso dos imprevidentes, nunca dispostos a fazerem sua parte; da indignação dos trapaceiros, sempre competentes em dar o troco quando se vêem passados para trás.
Outro é o choro para o qual haverá consolo, o consolo do Reino, o consolo que não é sossego mas desafio e sustento para prosseguir.

É o choro que reclama pela alegria e a torna fecunda. Então é o choro de quem se sente ferido pela vida, mas decidido a tomar sua cama e andar (Mc 2,1-12); desprezado, mas empenhado em conseguir seu lugar ao sol (Lc 5,12-14); esquecido, mas com a teimosia de não entregar os pontos (Mc 5,25-34); desdenhado, mas perseverante na fé (Mc 3,1-6); pisado, mas zeloso por sua liberdade (Jo 9,1-38); incompreendido, mas paciente com os seus (Mc 8,27-38); visado, mas prudente e contundente frente a quem não quer ver (Jo 8,1-11); odiado, mas sereno, firme e intrépido diante da verdade (Lc 22,66-71); abandonado, mas confiante no Deus da Vida (Mc 15,33-39); é o choro de quem descobriu que assim não dá mais, propõe-se a mudar de rumo e dá os passos na nova direção (Lc 7,36-38), apesar do preconceito alimentado por seu passado (Lc 7,39-50); é o choro de quem perdeu, arrependeu-se e faz o caminho de volta (Lc 15,11-24), apesar de todo o descrédito e da inconformidade de seus irmãos (Lc 15,25-32); é o choro de quem se reconhece explorador dos semelhantes e procura retratar-se do mal causado (Lc 19,8-10), apesar da desconfiança e sarcasmo dos que o conheceram (Lc 19,1-7).

O consolo é para quem se arrepende (Mt 26,69-75; Lc 23,39-43), insiste (Mt 15,21-28), confia (Jo 11,17-27), mantém a esperança para si (Mt 9,27-31) e para os outros (Mt 9,32-33), para quem se dispõe à partilha (Jo 6,9), ao serviço (Mc 1,29-31), ao reparo do mal que foi feito (Lc 22,47-51); para quem se dá o direito de contar com uma nova chance (Jo 20,19-29).

Que consolo é esse? É o consolo de nos descobrirmos participantes do Reino, o consolo que faz brotarem os frutos do Reino, os frutos que Jesus madurou! O fruto do nosso compromisso, sem reservas, com a liberdade: correr o risco de provocar nos outros o exercício consciente e pleno dessa mesma liberdade, para assim também se integrarem no Reino. O que só é possível com o fruto de nossa maturidade no perdão – o dom permanente e pleno -, sem prerrequisitos, sem precondições, sem restrições, mesmo que nossos semelhantes se recusem a usar a mesma moeda. O fruto da inclusão de todos, que não é a simples tolerância à diferença, mas o cotidiano convívio dos diferentes. E o fruto da exigente sintonia com a vontade do Pai. Que desafiante a proposta do Reino, espelhada nas atitudes de Jesus!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Boa Nova - Prêmio Poesia e Liberdade 2010.




O Centro Alceu Amoroso Lima realizou no dia 9 de dezembro a solenidade de entrega do
Prêmio Poesia e Liberdade 2010.



O vencedor deste ano foi J. Thomaz Filho. A cerimônia de entrega aconteceu na Universidade
Cândido Mendes no Rio de Janeiro. O Prêmio foi instituído em 1983 e reconhece, anualmente, pessoas, organizações ou instituições que se destacam na luta pela justiça, paz e pelos direitos humanos.






A Pastoral Fé e Política sente-se orgulhosa de tê-lo como membro e mestre, nos fortalecendo com suas orações, textos para reflexões, carinho e dedicação que durante este ano de 2010 motivou-nos em nossas inquietudes.



Agradecemos a Deus pelo privilégio de tê-lo conosco.




Parabéns por este importante prêmio, mas, mais ainda, por ser e assumir o compromisso de ser
profeta e discípulo-missionário de Jesus Cristo.

Avaliação do 1o. Congresso de Leigos

Caros leigos e leigas,

acessem a notícia: http://www.claspnet.org.br/noticias/comissao-central-avalia-i-congresso-de-leigos

A Comissão Central convocada pelo Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, reuniu-se no dia 14 de dezembro de 2010 na Paróquia São Luiz a fim de avaliar as ultimas atividades realizadas no I Congresso de Leigos da Arquidiocese de São Paulo.
Os leigos e padres co-responsáveis pelo congresso avaliaram positivamente o processo desencadeado desde janeiro, as etapas paroquiais e regionais, bem como a realização das oficinas arquidiocesanas e o grande momento celebrativo do dia 21 de novembro.
O I Congresso de Leigos da Arquidiocese de São Paulo mobilizou inúmeros leigos e leigas, promover a consciência da identidade e do protagonismo dos leigos na Igreja e na sociedade, favoreceu a pastoral de conjunto e principalmente o reavivamento pastoral e missionário.
Como primeira experiência há situações e processos a serem melhores trabalhados, desafios a serem superados. O empenho de todos foi para que tudo ocorresse da melhor forma possível e pelo êxito do efetivo testemunho de uma Igreja, povo de Deus, na cidade de São Paulo.
Frutos Financeiros
A sub-comissão financeira da Comissão Central, presidida pelo Antonio Zanon, apresentou detalhadamente a prestação de contas da arrecadação dos recursos financeiros por meio da rifa que contou com 95% do empenho das paróquias e de seus leigos, sendo os demais 5% da participação dos Conselhos de Leigos (Belém e Ipiranga), Movimento Focolares e o Movimento de Integração do Campo e da Cidade – MICC.
As despesas já estão sendo quitadas e o I Congresso de Leigos contará com um fundo de aproximadamente R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) para dar continuidade aos projetos decorrentes do congresso. Atualmente o recurso financeiro encontra-se aplicado em conta da Mitra Arquidiocesana sob a administração do CLASP (Conselho de Leigos da Arquidiocese de São Paulo).
Por sugestão do Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer o saldo deverá ser encaminhado aos procuradores da Mitra Arquidiocesana para administração do recurso.
Neste sentido, o CLASP sugeriu ao Cardeal que para manter a transparência da administração do recurso, da acessibilidade ao fundo e execução dos projetos do congresso seja nomeado um Conselho Gestor do Fundo Arquidiocesano do I Congresso de Leigos da Arquidiocese de São Paulo. Na presença de todos os membros da Comissão Central o Sr. Cardeal considerou a proposta válida e se comprometeu a nomear para o Conselho Gestor os membros da Procuradoria da Mitra, quatro leigos da Sub-comissão de Finanças do Congresso e da Comissão Executiva, o padre coordenadora de Pastoral pelo Secretariado de Pastoral. O Conselho Gestor do Fundo contará também com um regimento para estabelecer as regras para apresentação de projetos e prestação de contas do recurso.
Próximos Passos
A Carta do I Congresso de Leigos será novamente analisada pela Equipe Executiva para publicação de sua versão final. As propostas das Oficinas serão re-organizada a partir dos eixos Organização, Formação e Ação para um planejamento estratégico de execução.
Constatou-se que muitas das propostas já estão sendo contempladas pelas pastorais e organismos eclesiais vinculados a temática para o ano de 2011.
O Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer manifestou a necessidade de um novo encontro com todos os 1.200 (mil de duzentos) delegados das Oficinas Arquidiocesanas em 20 de março de 2011. A convocação oficial deverá ser encaminhada pelo Secretariado de Pastoral.

Edson Silva
Secretário Geral
I Congresso de Leigos da Arquidiocese de São Paulo

Veja também: Dr. Edson Luiz Sampel é Doutor em Direito Canônico
http://www.claspnet.org.br/noticias/defesa-de-doutorado

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Ver a realidade

Enquanto estamos encerrando uma ano intenso de trabalho alguns fatos escandalosos estão ao nosso redor:

Papais Noéis de si mesmos, deputados querem reajustar seus vencimentos de R$ 16,5 mil para R$ 26,7 mil
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticia.asp?cod_canal=21&cod_publicacao=35551

A 7ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) julgou nesta segunda-feira (13) improcedente uma ação de improbidade administrativa contra o deputado Paulo Maluf (PP-SP). Com a determinação, a 7ª Câmara revogou decisão que o próprio tribunal havia tomado em abril deste ano. Foi por causa dessa decisão que Maluf teve registro de candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral, com base na Lei da Ficha Limpa.
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticia.asp?cod_canal=1&cod_publicacao=35545

Procuradoria Regional Eleitoral do Amazonas pede inelegibilidade de indicado a ministro dos Transportes do Governo Dilma por distribuição de combustível aos eleitores em troca de votos.
http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/politica/2010/12/09/PROCURADORIA-PEDE-INELEGIBILIDADE-DE-INDICADO-A-MINISTRO-DOS-TRANSPORTES.htm

Fonte: congressoemfoco.uol.com.br / cbn.globoradio.globo.com

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Nascer a partir do Encontro com o Cristo - Parte I (Ver)

A partir da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe (Conferência de Aparecida) e das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2008-2010 (DGAE) desenvolveu-se o 10° PLANO DE PASTORAL da Arquidiocese de São Paulo que destaca que a partir da experiência do encontro com o Senhor Ressuscitado temos as razões, motivações e impulsos para a ação evangelizadora da Igreja.

Esses documentos vêm proclamar que somos enviados como testemunhas da grande alegria e da vida nova que nascem do encontro com Jesus.

Sem o espírito e a ação missionária que nascem do encontro com o Senhor, a pregação se torna vazia e o empenho missionário cansativo. Esse encontro se realiza na Palavra de Deus, na oração, na liturgia, na caridade, especialmente aos mais pobres e doentes.

A Plano de Pastoral destaca o desejo ardente de ajudar o povo a perceber que a fé em Jesus Cristo não é um negócio, não se pode comprar. A fé depende do anúncio da Palavra e da ação do Espírito. Ela nasce de um encontro com Jesus, que precisa ser alimentado pela Palavra, pela oração, pelos sacramentos, especialmente a Eucaristia e a Penitência, pela participação comunitária e a prática da caridade.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Reconhecer-se no verbo encarnado



O Documento final da V CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO E DO CARIBE - conhecido como Documento de Aparecida nos traz contribuições sobre a Espiritualidade do Natal.

No capítulo que trada da realidade que nos desafia como discípulos e missionários, alguns questionamentos são muito apropriados para refletirmos sobre a espiritualidade do Natal e o conceito de Natal que a sociedade nos apresenta.

  • As novas gerações são as mais afetadas pela cultura do consumo em suas aspirações pessoais profundas.
  • Crescem na lógica do individualismo pragmático e narcisista, que desperta
    nelas mundos imaginários especiais de liberdade e igualdade.
  • Afirmam o presente porque o passado perdeu relevância diante de tantas exclusões sociais, políticas e econômicas. Para elas o futuro é incerto. Assim mesmo, participam da lógica da vida como espetáculo, considerando o corpo como ponto de referência de sua realidade presente.
  • Têm nova atração pelas sensações e crescem na grande maioria sem referência aos valores e instâncias religiosas. Em meio à realidade de mudança
    cultural, emergem novos sujeitos, com novos estilos de vida, maneiras de pensar, de sentir, de perceber e com novas formas de se relacionar. São produtores e atores da nova cultura.

Entre os aspectos positivos dessa mudança cultural aparece:

  • o valor fundamental da pessoa, de sua consciência e experiência, a busca do sentido da vida e da transcendência.

Para dar resposta à busca mais profunda do significado da vida, o fracasso
das ideologias dominantes permitiu que a simplicidade e o reconhecimento do fraco e do pequeno na existência surgissem como valor, com grande capacidade e potencial que não podem ser desvalorizados.

Essa ênfase na apreciação da pessoa abre novos horizontes, onde a tradição cristã adquire renovado valor, sobretudo quando a pessoa se reconhece no Verbo encarnado que nasce em um estábulo e assume uma condição humilde, de pobre.

domingo, 5 de dezembro de 2010

A CELEBRAÇÃO DO ADVENTO


O Concílio Vaticano II enriqueceu notavelmente de leituras bíblicas o período do Advento. Os três ciclos para os quatro domingos, as leituras cotidianas da missa durante essas quatro semanas, apresentam um tesouro considerável, digno de uma atenta catequese.

O novo calendário romano, no n. 39, cuidou de exprimir o significado do Advento: "O tempo do Advento tem uma dupla característica: é tempo de preparação para a solenidade do Natal, em que se recorda a primeira vinda do Filho de Deus entre os homens e simultaneamente é o tempo no qual, através desta recordação, o espírito é conduzido à espera da segunda vinda de Cristo no final dos tempos".


Mais sugestiva que um longo comentário sobre a teologia do Advento é a tabela seguinte:


DOMINGO

I
Esperança vigilante do Senhor
II
Advertência de João Batista: Preparai os caminhos do Senhor A
III
Presença dos tempos messiânicos. Alegria.
IV
Encarnação do Verbo


Como se pode notar, os domingos exprimem uma continua progressão partindo do segundo advento, ligado ao último domingo do ano, embora sempre sublinhem o nascimento de Jesus, para chegar à encarnação do Verbo.

A celebração do Advento tem uma riqueza teológica incomparável. Somos pois convidados a ler e a estudar os textos na sua recíproca ligação no âmbito da celebração de um mesmo domingo, mas também na sua ligação com os textos dos domingos seguintes. O lecionário atual propõe duas leituras próprias para cada dia das quatro semanas do Advento.

A tonalidade de fundo que percorre o 1º domingo é a da espera vigilante do Senhor. Ele anuncia o seu retorno. Devemos estar alertas. As nações se reunirão. O dia está próximo. E preciso vigiar e estar pronto para comparecer de pé diante do Filho do homem. Um germe de justiça se instaurará no fim dos tempos, pelo que devemos estar firmes e irrepreensíveis

Se o reino dos céus está próximo, é mister preparar os caminhos. É o tema específico do 2º domingo do Advento. O Espírito está sobre o Senhor e nele as promessas são confirmadas. Preparar os caminhos significa preparar um mundo novo, uma terra nova. Devemos saber ver a salvação de Deus, cobrir-nos como manto da justiça e revestir-nos do esplendor da glória do Senhor.

O 3º domingo apresenta os tempos messiânicos. Deus vem salvar-nos, a sua vinda está próxima, as curas são o sinal da sua presença. No meio de nós está alguém que não conhecemos. Exultamos pela presença de quem está marcado pelo Espírito. Um mais poderoso que João Batista deve chegar. Já está aqui. E esse o tempo da fraternidade e da justiça.

O 4º domingo do Advento anuncia a vinda iminente do Messias. José foi pré-advertido. Uma Virgem conceberá o Filho de Deus, Jesus Cristo, da estirpe de Davi. A noticia é comunicada a Maria. O trono de Davi será firme para sempre. O mistério calado por Deus durante séculos é agora revelado. Também Isabel agora sabe. De Judá sairá aquele que vai reger Israel. Ele vem para cumprir a vontade de Deus.



Extraído do livro
O ANO LITÚRGICO História, Teologia e Celebração
Anámnesis 5, vários autores, ©Paulinas 1991

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Mais de 70 pessoas prestigiam lançamento do Texto-base da CF-2011

Mais de 70 pessoas prestigiaram o lançamento do Texto-base da CF (Campanha da Fraternidade) de 2011, cujo tema é "Fraternidade e a Vida" no Planeta, e lema “A criação geme em dores de parto”, publicado pelas edições CNBB. O evento foi realizado na noite desta sexta-feira (26), na sede do Regional Sul 1 da CNBB, na capital paulista.

Participaram do lançamento, mais de 70 convidados, entre lideranças religiosas, agentes de pastorais, representantes de entidades e coordenadores da CF das sub-regiões pastorais.

A mesa foi composta pelo presidente do Conselho Episcopal Regional Sul 1 da CNBB, Dom Nelson Westrupp, pelo secretário-geral, Dom Airton José dos Santos, pelo bispo emérito de São Miguel Paulista (SP) e responsável regional pela Campanha da Fraternidade, Dom Fernando Legal, pelo padre José Pedro Teixeira de Jesus, professor de Bíblia do Instituto de Teologia da Diocese de Santo André (SP) e a Dra. Rachel Biderman, advogada e coordenadora do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVces). Representando a Campanha da Fraternidade no Estado de São Paulo estava presente o Padre Cícero Soares da Silva Neto.

A noite de lançamento foi aberta pelo Presidente do Regional Sul 1, Dom Nelson Westrupp, scj, que em sua saudação inicial recordou Bento XVI: “Com grande generosidade, Deus confiou-nos o mundo que criou. Urge aprender a respeitá-lo e protegê-lo melhor”. Por isso, segundo Dom Nelson, essas palavras deverão nortear os compromissos ao longo da Campanha que terá seu início na Quarta-Feira de Cinzas de 2011 e seguirá durante toda a Quaresma. “Respeitar e proteger melhor, ter mais cuidado e carinho para com nosso planeta, eis aí um grande desafio da CF de 2011”, foram também recomendações de Dom Nelson.

Após a acolhida feita por Dom Nelson, o bispo referencial da CF, Dom Fernando Legal fez uma retrospectiva da história das Campanhas da Fraternidade que vem sendo realizada na Igreja do Brasil. No final do discurso, o bispo recordou João Paulo II, ‘sem dúvida, será uma feliz realidade o desejo que João Paulo II fez à Igreja e todos os povos, há vinte anos atrás, em sua mensagem do Dia Mundial da Paz: "Paz com Deus, Criador, Paz com toda a Criação’", concluiu.

Rachel Biderman, falou sobre o importante papel da Igreja, através da CF-2011 em discutir em âmbito público, temas como aquecimento global e das mudanças climáticas. “O texto é um estímulo para a boa ação para contribuir no debate sobre a problemática do aquecimento global e suas consequências. É preciso reverter as dores de parto em alegria de nascimento", disse referindo-se ao Texto-base.

Em seguida, o padre José Pedro Teixeira de Jesus apresentou alguns aspectos da segunda parte do texto-base, o Julgar, à luz da fé cristã. Ele explicou de como podemos, sob a ótica da Palavra de Deus e da teologia, refletir a realidade e encontrar soluções em prol da preservação do planeta.

O cardeal arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, que também esteve presente na noite de lançamento exortou aos convidados sobre a nossa responsabilidade diante da Vida no planeta e desejou que a CF-2011 possa produzir muitos e bons frutos.

Ainda no lançamento, a Equipe da CF de Hortolândia apresentou o hino da CF-2011.

De São Paulo, Renato Papis
Publicado em 29/11/2010 - 03:25
fonte www.cnbbsul1.org.br

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Campanha da Fraternidade Ecumênica 2010.


Realizou-se neste último sábado (27/11) o último encontro da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2010.

Foram apresentados, discutidos e avaliados cada um dos 10 (dez) encontros realizados
para reflexão de assuntos que o tema da CFE 2010 " Economia e Vida" abordou.

Assim também, foi apresentado para a Comunidade o material da CF 2011 que terá como tema
"Fraternidade e a vida no planeta" e como lema "A criação geme como em dores de parto".

Agradecemos a sua participação e convidamos àqueles que ainda não participaram!

Pastoral Fé e Política
Paróquia São João Batista
Setor Carrão/Vila Formosa
Região Episcopal Belém

domingo, 28 de novembro de 2010

Texto-base da CF-2011 foi lançado nesta sexta-feira


O Texto-base da CF (Campanha da Fraternidade) de 2011, cujo tema é Fraternidade e a Vida no Planeta, e lema “A criação geme em dores de parto”, foi lançado em 26 de novembro, no auditório da sede do Regional Sul 1 da CNBB.

O lançamento foi promovido pela coordenação da CF do Regional Sul 1 da CNBB. Estavam presentes bispos, padres, religiosos, leigos e especialistas no assunto.

O objetivo da Campanha de 2011 é colocar em discussão nas dioceses e comunidades, temas como mudanças climáticas, efeito estufa, a questão energética, desenvolvimento, preservação da vida, agronegócio, biodiversidade e a água.

A Pastoral Fé e Política da PSJB estava presente nesse momento de lançamento e recebendo a benção e o entusiasmo dos presentes para este desafiador tema a ser trabalhado em 2011.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Avaliação CF 2010 e Apresentação da CF 2011


Campanha da Fraternidade Ecumênica 2010

10º Encontro – Sábado 27/11
Às 15:00 horas com a Santa Missa


Avaliação e Apresentação da

CF-2011



Apresentação: Equipe da Pastoral Fé e Política





Convidamos a todos para participarem conosco do último encontro em nossa paróquia relativo a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2010, onde será feita uma avaliação dos encontros realizados este ano, apresentada a temática da Campanha da Fraternidade 2011 e coletadas idéias e sugestões para nossas atividades para 2011. Não deixe de participar!





Data: 27/11/2010 - sábado, após a missa das 15 horas

Local: Salão anexo da Paróquia São João Batista

Rua Coronel Marques, 174 Vila Carrão



88 Mensagens na pasta

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

1º CONGRESSO DE LEIGOS

Neste último domingo (21/11/2010) vivemos um momento singular da nossa Igreja.

Na festa do Cristo Rei e Dia do Leigo, aconteceu a solenidade de celebração do 1o. Congresso de Leigos da Arquidiocese de São Paulo.
Não podemos nos referir a este momento como sendo o encerramento do Congresso, uma vez que o mesmo acaba de nascer.
Foi gestado durante três anos e agora nasceu e efetivamente toma suas formas.

Dentro do método Ver, Julgar e Agir, podemos considerar que o VER aconteceu durante as 1a e 2a etapas - Paroquial e Regional,
onde foi feito todo o apanhado da real situação que vive a Igreja nas suas bases (paróquias, comunidades, etc.) e nas oficinas temáticas desenvolvidas na etapa regional.

O JULGAR aconteceu na etapa arquidiocesana, quando de posse dessas amostras se definiu os meios para resolver essas deficiências,
com a definição de propostas e desenho dos projetos.

O AGIR começa agora. Precisamos fazer com que essas propostas maravilhosas definidas para cada tema sejam de fato,
transformadas na realidade viva para as nossas Comunidades e Paróquias..

Torna-se impossível transpor para as palavras a emoção que sentimos nesses momentos marcantes que vivemos durante todo este dia.
Sentimo-nos muito honrados com esta participação. Não envaidecidos e nem orgulhosos disso.
Mas, extremamente empenhados e comprometidos no fazer acontecer toda essas maravilhas para o bem da nossa Igreja e de todos nós.

Como é bom ver tanta gente ao redor dessa mesa comum, estudando e defendendo a vida e a obra do Reino de Deus através da Igreja!.

O ginásio do Ibirapuera ficou pequeno para tanta gente que queria participar. Infelizmente muitos tiveram que voltar porque não havia mais espaço físico para acomodá-los.
Membros da Pastoral Fé e Política e Pastoral da Saúde da nossa Paróquia estão representando-a como delegados regionais
e esse papel é de grande relevância para o andamento e participação da Paróquia nas etapas que hão de vir.
Já está agendado um encontro com o Arcebispo em março de 2011 para discussão dessas etapas.

Desta primeira fase do Congresso foram apontadas em torno de 180 propostas distribuídas entre as 21 oficinas temáticas.
Essas propostas foram resumidamente apresentadas pelo Cônego Antônio Manzatto a todos os delegados presentes e ao final foi feita a aprovação das mesmas.
O assessor teológico que acompanhou Congresso em todas as suas etapas, destacou que ao longo do evento foi possível perceber alguns frutos,
como a retomada da teologia do Concílio Vaticano 2º. "Já na primeira fase, [realizada] nas bases,
se percebia uma retomada da compreensão da Igreja como Povo de Deus", disse.
De acordo com o teólogo, a segunda fase, nas regiões episcopais, continuou a refletir a teologia do Vaticano II
à luz dos diversos temas abordados pelas oficinas. "Na segunda fase do congresso, cristãos de realidades diferentes colocaram em comum suas experiências,
formando uma comunidade de comunidades", explicou. "Somos uma Igreja particular que precisa construir pontes entre as pessoas.
A missão na cidade é a principal referência da Igreja", concluiu o teólogo.

Na seqüência, tivemos o momento cultural com a apresentação de um grupo de cultura japonesa, exibição de vídeos e fotos do congresso,
e por final, a santa missa celebrada pelo Bispo Auxiliar da Região Ipiranga Dom Tomé Ferreira da Silva e concelebrada pelos Bispos das demais regiões.
Contamos com a presença de muitos padres, bispos, diáconos e os leigos em geral.

Uma linda e histórica festa!

Estaremos apresentando através deste meio de comunicação a síntese das propostas a fim de que todos tomem
ciência dos rumos que a Igreja estará tomando a partir de agora.

O Senhor nos envia em missão!


"Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para serlançado fora e calcado pelos homens.

Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha "
Mt 5, 13-14

domingo, 21 de novembro de 2010

Dia do Leigo - Solenidade de Cristo Rei


Momento cultural e Celebração Eucarística hoje, a partir das 14h no Ginásio Poliesportivo Mauro Pinheiro Rua Abílio Soares, 1300 - Ibirapuera
(no Conjunto Esportivo do Ibirapuera)

“Vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo!” (Mt 5, 13-14)


Você, católico, está convocado para celebrar a riqueza de sua fé!

Ao longo deste ano de 2010, os católicos da Arquidiocese
de São Paulo participaram de diversas atividades e
celebrações por ocasião da realização do 1º Congresso
de Leigos, fruto do 10º Plano de Pastoral.
Onde foi realizado, o Congresso vem produzindo frutos:
animação dos leigos; formação de uma nova consciência
voltada para a missão; articulação de trabalhos pastorais;
c o n c r e t i z a ç ã o d a p a s t o r a l d e c o n j u n t o.

Estamos nos preparando para a quarta etapa do
Congresso de Leigos da Arquidiocese, no dia 21 de
novembro, com estudo, apresentação de projetos, ação
de graças pelo processo vivido; festa e celebração.
No Ibirapuera, serão dois momentos diferentes:
Das 9h às 13h – Momento de apresentação, reflexão e
aprovação dos projetos produzidos nas oficinas
temáticas do Congresso. Nesta primeira parte,
contaremos com a presença de um grupo formado por
representantes das paróquias, pastorais, movimentos,
associações e novas comunidades; além dos delegados
que participaram das oficinas regionais e
arquidiocesanas. Das 14h às 18h – Festejando o Dia
Nacional dos Leigos, teremos um momento cultural, que
irá das 14h às 16h e é aberto à participação de toda a
Igreja. Às 16h, celebraremos a santa Missa que será
presidida pelo Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer,
Arcebispo Metropolitano de São Paulo.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Saúde, Educação e Segurança

A Igreja tratou, por três anos consecutivos, de assuntos que jamais poderiam ser negligenciados numa sociedade: Saúde, Educação e Segurança.

A Campanha da Fraternidade de 1981 teve como tema “Saúde e Fraternidade” e como lema: “Saúde para todos”.

Em 1982, o tema foi “Educação e fraternidade”
e o lema “A verdade vos libertará”.










Em 1983, o tema foi “Fraternidade e Violência”
e o lema “Fraternidade sim, Violência não”.


Esses fatores são fundamentais para a qualidade de vida da população. Há grande correlação entre a busca do bem comum e o trabalho da Igreja com essas três campanhas seguidas. Foram focados temas de vital importância.
Filipe Thomaz
Membro da Pastoral Fé e Política

sábado, 13 de novembro de 2010

Cursos profissionalizantes gratuitos para adolescentes e jovens

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - CENLEP

Critérios de seleção para ingresso nos cursos:

•Análise sócio-econômica.
•Adolescentes e jovens com idade entre 15 e 29 anos.
•Ser estudante ou que ter concluído a Escola Pública.
•Residir na região da SubPrefeitura Aricanduva/Formosa/Carrão e imediações.
•Análise de perfil de acordo com o projeto desenvolvido.
•Análise de conhecimentos gerais e questões abertas para avaliação do interesse em trabalhar e seguir a profissão na área do curso escolhido.

Maiores informações: 11 2671-7139
http://capsnossolar.org.br/prog_cenlep.asp

sábado, 6 de novembro de 2010

Nossos mestres, os pobres

J. Thomaz Filho



A boa notícia – evangelho – que Mateus nos quer dar a respeito de Jesus – nome que significa Deus dá salvação - não se apresenta nos moldes das notícias que costumamos esperar: Tudo correu às mil maravilhas! Com a bênção de Deus, não houve problema algum! Se Deus é por nós, o mal passa a léguas, e por mais que nos ronde não consegue ferir a nossa tranquilidade!...

Segundo Mateus (Mt 1,18-25), já o casal escolhido para compor a família de Jesus teve de se medir com seus próprios sonhos, enfrentar um profundo conflito humano, que punha em xeque valores fundamentais. Se o casal não supera essa crise, deixando ao amor a palavra decisiva... Em crise também entram os magos (Mt 2,1-12), que têm de fazer outro caminho para sua procura. Em crise, João Batista (Mt 3,1-17), que quer desistir de sua própria missão ao deparar-se com Jesus. Em crise entra o próprio Jesus (Mt 4,1-11), que tem de deixar bem claro, para si mesmo, que veio para fazer a vontade do Pai! E em crise põe Jesus os discípulos que, diante da multidão, se assentam perto dele para ouvi-lo (Mt 5,1-2). De acordo com Mateus, Jesus começa pelas bem-aventuranças.

Jesus nos põe em crise ao afirmar que felizes são os pobres (Mt 5,3). Porque o que mais quer o pobre senão deixar de ser pobre? O pobre se vê como tal quando a ele são negados os bens da sociedade. Vê-se humilhado, por sentir-se excluído na hora da partilha dos bens. Está incluído apenas na hora do suor. E muitos nem nessa hora têm vez, estão proibidos ao mercado de trabalho e ao acesso aos bens produzidos!

Lucas, mais contundente, fala simplesmente do pobre (Lc 6,20), sem ampliar explicitamente para os que se comportam com espírito de pobre.

Dos pobres é o Reino. Dos pobres que não perderam o espírito de pobre. Pertence a eles. E eles pertencem ao Reino. É como se tivéssemos de pedir licença para entrar! O alvará, as vestes para o Reino, são nos moldes dos pobres. Ou nos fazemos como eles, ou aprendemos seu espírito e seu despojamento, ou não passamos a fazer parte do Reino, que é deles por natureza.

A pertença ao Reino não é simplesmente incluir os pobres nos benefícios da sociedade. Isso é um direito deles, mas não é exatamente nisso que consiste o Reino. Jesus nos põe em crise por seus gestos (Mt 4,23; Mt 14,14-21, Lc 19,1-10...) e palavras (Mt 6,24; Mt 15,10-20; Jo 10,10...), porque põe em crise o nosso modo de ser em sociedade. A nossa organização social privilegia uns, exclui outros, põe uns no comando, empurra outros para a subserviência. Assim é a dominação praticada pelos humanos, não o domínio de Deus (Gn 1,28), à sua imagem e semelhança (Gn 1,26).

A felicidade acontece na exata medida em que os pobres puderem alegrar-se, aqui na terra, mantendo o espírito de acolhida, a solidariedade, a partilha. Na medida em que esse espírito der o tom à nossa convivência, na medida em que esse espírito alastrar suas raízes e desafiar a todos.

Se deles é o Reino dos céus, se eles é que melhor retratam o Reino, então aí estão os nossos mestres, então é para eles que precisamos olhar, é com eles que vamos aprender.

Em meio a tantas propostas de felicidade, Jesus também traz uma. A de Jesus é exigente, desconcertante, mas simples e efetiva. Por nossas opções de vida é que se define a nossa escolha.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Acompanhe aqueles que você escolheu como seu representante

Neste ano você escolheu Presidente, Governador, dois Senadores, Deputado Federal e Deputado Estadual.
Agora é hora de anotar esses nomes e acompanhá-los!

Se o candidato/a não foi eleito, escolhe dentre os eleitos aquele que você deseja acompanhar.

Siga o seu mandato , acompanhe suas propostas, veja como ele/ela vota nas discussões da Câmara e do Senado.

Preocupe-se em vigiar o seu mandato, pois ele/ela está te representando.

Preocupe-se sempre com os políticos, não deixe para pensar neles apenas nas próximas eleições.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Acabaram as eleições, mas não a nossa participação cidadã.

MCCE Estadual São Paulo participa de audiência pública para elaboração do novo código eleitoral

Elaboração de Anteprojeto do novo Código Eleitoral

A presidência do Senado nomeou uma comissão especial, formada por juristas, para elaborar um anteprojeto para o novo código eleitoral (ato n° 192, de 08/06/2010).

Na sistemática de trabalho da comissão estabeleceu-se a realização de audiências públicas em várias capitais, das diferentes regiões do país.

Em São Paulo, a Audiência Pública da comissão acontecerá dia 08/11/10, das 10h às 13h, na sede do Tribunal Regional Eleitoral (Rua Francisca Miquelina, 123 - www.tre-sp.gov.br).

Dr. Walter de Almeida Guilherme, Presidente do TRE/SP e membro da Comissão, convidou o MCCE Estadual SP a participar da Audiência Pública, apresentando propostas para o anteprojeto.

O MCCE Estadual SP apresentará propostas referenciadas na experiência acumulada em quase 20 anos de participação como agentes ativos da busca de moralidade e transparência no processo eleitoral.

Experiência esta reunida na apresentação de duas Iniciativas Populares de Lei, que resultaram na Lei 9840/99, que impede a compra de votos e o uso da máquina administrativa, e na Lei Complementar 135/10, que exclui do processo eleitoral candidatos condenados por órgão colegiado.


A apresentação de sugestões para o anteprojeto está aberta para cidadãos e entidades no próprio site da comissão e na audiência pública, seja com manifestação oral, seja pela entrega de documento. As inscrições para as manifetações serão feitas no mesmo local da Audiência Pública, a partir das 9h do dia da 08/11.
Fonte: mcce.org.br

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Economia e Ecologia - Convite

Este convite é para o 8º encontro da CFE-2010, porém, com forte ligação para CF-2011.
É HORA DO AGIR - NÃO PERCA!!!
PALESTRA sobre o Projeto Metanóia
Por Ana Lucia Galvão Gomes

30 DE OUTUBRO DE 2010
Paróquia S. João Batista - Carrão. SP
Rua Cel Marques, 174
15h missa
16h Início da Palestra

O que é Metanóia?

Do grego “ετάνοια” que significa: ir além, passar além de, ultrapassar, exceder, elevar-se acima de, transcender. Meta, como acima ou além e nóia, vem de nous, mente. “Mudança profunda de mentalidade”.

O projeto Metanóia – Planeta Sustentável contém sugestões de grande relevância acerca de abertura de frentes estratégicas que visam a inclusão socioambiental mediada pela tecnologia, inclusive das pessoas portadoras de necessidades especiais.

Estimula a prática da cidadania frente aos atuais desafios das organizações. Propõem alianças com instâncias governamentais, instituições públicas e privadas valendo-se de um serviço integrado que privilegie ações fundamentais de relacionamento, contribuindo para a construção da cidadania, na perspectiva da responsabilidade socioambiental.

Com o objetivo de implantar um sistema de gestão ambiental segundo a norma NBR ISO 14.001 propõe um trabalho integrado e busca parcerias interessadas em fortalecer o modelo empresarial colocando a sustentabilidade como eixo norteador na forma de se fazer negócios, além de promover a diversidade transformando valores em atitudes.

A metodologia visa desenvolver a autonomia profissional reelaborando conceitos que gerem nova mentalidade definindo um perfil profissional que torne essa “pessoa” um agente transformador e apto à nova ordem econômica, social e ambiental.

O projeto Metanóia justifica-se numa alternativa que una num mesmo objetivo um processo de capacitação digital que promova a integração e inclusão social seja de maneira associativa ou de inserção no mercado de trabalho, desafiando para uma ação profissional e comunitária em defesa da vida. Esse profissional deverá constituir-se em agente multiplicador de conhecimentos adquiridos valorizando a bagagem cultural de cada indivíduo.

A sociedade está interligada em redes, motivo pelo qual, a metodologia adotada no projeto assume os avanços da tecnologia da informação valorizando as pessoas como indivíduos e cidadãos.

Metanóia propõe uma forma legal e totalmente nova de inclusão socioambiental mediada pela tecnologia que promove a inserção no mundo do trabalho. A estratégia cria novas frentes de trabalho dando condições para desenvolver diversas atividades de capacitação, treinamentos e ciclo de oficinas. As oficinas são: de pães, de costura, de artesanato, de doces, salgados e de reciclagem. Além das oficinas terá as funções: administrativas, cadastro, vendas, eventos, comunicação, marketing, divulgação, pesquisa, treinamento, captação de recursos e no operacional, a separação de resíduos recicláveis.

Então para se obter sucesso e concretização deste projeto é importante que desenvolva uma interação e parcerias com instituições. As parcerias devem promover e adquirir produtos tanto das oficinas como os resíduos recicláveis.

METANÓIA – PLANETA SUSTENTÁVEL remete a uma profunda mudança de mentalidade em busca de um planeta sustentável. Entende-se que a mudança de mentalidade cria novos hábitos.

Fonte: http://professorgaliani.blogspot.com/2010/10/palestra-sobre-o-projeto-metanoia.html#comments

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Boa nova - ação concreta em vista do irmão que sofre



A Missão Belém nasceu na Igreja de São Paulo em 2005 e é uma Comunidade de pessoas e de comunidades a serviço dos mais pobres, que são o Cristo vivo e sofredor para nós hoje, coração do nosso coração.

O Carisma Belém, que une todos os membros desse movimento: celibatários, casados, clérigos, consagrados, leigos, consiste em reviver o milagre de Belém: o Espírito de Família, forte humilde, que existia entre Maria, José e Jesus, na pobre gruta de Belém: imagem da Família Divina da Trindade, encarnado no meio dos pobres, como os pobres, para os pobres, até uma plena e total identificação com eles.

Nestes três anos de vida nasceram 40 casas que permitiram acolher muitos irmãos de rua: de crianças recém-nascidas, filhos dos “filhos da rua” a velhinhos esclerosados, “prostituídas” e “homossexualizados”. Neste período passaram nas casas mais de 3.000 irmãos de rua. Atualmente os acolhidos são mais de 500. Os missionários consagrados ou a caminho da consagração são mais de 40. Vários deles desejam também o Sacerdócio. Os Casais Acolhedores que abrem a própria casa à acolhida dos meninos de rua, que não tem como voltar para casa, são 7.

Os monitores, que vem de uma experiência de rua e que sustentam as casas de acolhida de adultos são mais de 80. Eles são um grande presente para toda a Missão Belém, testemunham com sua própria vida a potência do Espírito Santo e manifestam o que Deus pode fazer com estes “santos dos últimos dias”. De delinqüentes, bêbados, drogados, traficantes, matadores, se tornam “missionários” capazes de sacrificar suas forças para acolher os mais abandonados que se encontram nas mesma situação de onde eles vieram.

Todos os dias estão nas ruas e nas praças a serviço dos nossos irmãos mais sofridos, visitamos a FEBEM, oferecemos o nosso trabalho pastoral a serviço da Favelinha Nelson Cruz (SP) onde está a nossa casa de formação.

O que fazem?
Visitam continuamente, dia e noite, o Centro de São Paulo e de alguma grande cidade limítrofe para conhecer e nos entrosar com o Povo de Rua e convence-lo a ir para as Casas de Acolhida.

Não tem pretensão nenhuma de ser uma clínica. O principio básico da vida: ORA ET LABORA (reze e trabalhe), sustenta a obra.

As casas são “famílias” constituídas por “voluntários” (acolhidos da rua e não). Todos escolhem o caminho da vida religiosa da Missão Belém, oferecendo a própria capacidade e laboriosidade com plena liberdade. Inclusive os que têm mais condições físicas cuidam dos mais debilitados, pelo tempo que for necessário.

Não tem convênio com nenhum órgão institucional, apesar de ter reconhecimentos a vários níveis.

Sustentam 30 casas, através da generosidade do povo que nos acompanha e do serviço totalmente voluntário de centenas de pessoas. Somos uma só grande família.

A graça de Deus os acompanha e os sustenta a cada momento.

O que precisam?

Em primeiro lugar precisam da sua compreensão e do seu apoio. Obra pioneira que acolhe todo mundo, e transforma pessoas escravas dos vícios e da rua em corajosos anunciadores de Cristo, servidores dos mais necessitados.

Não tem nenhuma entrada fixa, qualquer sua contribuição é bem vinda. A obra não tem um funcionário sequer: todos são uma grande família religiosa de voluntários, alguns a tempo integral, outros a tempo parcial.

Fonte: http://www.missaobelem.org

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Pastoral Operária Metropolitana SP 40 Anos: 1970 - 2010

A Pastoral Operária Metropolitana está organizando as comemorações dos 40 anos. Sua participação é muito importante. Participe, traga a sua contribuição para a construção deste momento histórico que servirá de memória e instrumento na formação de nossos grupos de base.

Data: 16 de Outubro de 2010 – sábado.
Horário: das 09hs às 15hs
Local: Centro Pastoral São José
Rua Álvaro Ramos nº 366 – Belém.
Próximo à estação Metro Belém.

Programação:

Mística: companheiros da Pastoral Operária Região Ipiranga.

O Regaste histórico: Linha do Tempo = Divisão por períodos:

·Antecedentes até o ano de 1970 – Waldemar Rossi,
·A Pastoral Operária entre 1970 e 1985 – Raimundo Perrilat,
·Pastoral Operária de 1985 até o ano 2.000 – Arlete Neves,
·Pastoral Operária de 2.000 até nossos dias – Miguel Pipolo.

Exibição do filme: Pastoral Operária.

Pastoral Operária Hoje (depoimentos e considerações de grupos de base, coordenações regionais).
Os desafios da Pastoral Operária nos dias de hoje (Padre Miguel Pipolo)
Saudação de Dioceses Convidadas, Instâncias Estaduais, PO Nacional, outras Pastorais, Movimentos.

Confraternização: Organizações Sindicais e Populares, Dioceses e Regiões Episcopais.

Confirme Sua Presença
Pelo e-mail: pometropolitana@yahoo.com.br ou pelo telefone 11 3106 5531

Pastoral Operária Metropolitana de São Paulo
Rua Venceslau Bras 78 1º Andar - Sala 101
CEP 01016 - 000 São Paulo - SP
Telefone: 3106 5531
E-mail: pometropolitana@yahoo.com.br

Quem puder participar, terá o privilégio de conhecer fatos e os agentes que participaram dessa importante e marcante trajetória da nossa história política, social e de fé.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Lançamento do Texto-Base da Campanha da Fraternidade 2011


Estamos de volta do encontro realizado em Itaici-Indaiatuba/SP para apresentação, discussão do tema e lançamento do Texto-Base da Campanha da Fraternidade 2011. Cujo tema é “Fraternidade e a Vida no Planeta” e lema “A criação geme em dores de parto (Rm 8, 22)”.

O encontro reuniu aproximadamente 300(trezentas) pessoas das dioceses do Regional Sul 1 e duas do Regional Sul 2, onde foram discutidas as diversas formas de trabalhar o tema nas comunidades no ano que vem.
Tendo em vista a complexidade do assunto (Ecologia) a idéia principal é de que consigamos sensibilizar todos os movimentos e pastorais da Comunidade para trabalharmos juntos e levar adiante o conceito de mudança de mentalidade e de atitudes diante do cuidado com o nosso planeta Terra, CASA e MÃE de todos nós.
O Encontro transcorreu de forma muito proveitosa e representou para nós o início de um trabalho muito sério ao qual nos comprometemos em desenvolver dentro da nossa Paróquia e em todas as demais da Região. Na seqüência, estaremos participando dos encontros da Arquidiocese (26/11) e da Região Belém que tem data ainda a definir.

Na ocasião, foram apresentados trabalhos que estão sendo desenvolvidos em diversas dioceses. Com muita surpresa e alegria percebemos que a nossa Igreja tem colaborado muito em todos os lugares desse imenso país com ações individuais e coletivas de pessoas e grupos que trabalham firme levando o Evangelho vivo para todos os cantos através da Campanha da Fraternidade.

A Comunidade da Paróquia São João Batista através da nossa representação, apresentou a proposta de trabalho desenvolvido aqui. Formato esse que foi acolhido e será disseminado para as demais Paróquias e Comunidades que tem o mesmo perfil que o nosso.

Queremos agradecer a todos o apoio e as orações que nos destinaram durante este encontro.

Com respeito,
Pastoral Fé e Política
Paróquia São João Batista
Setor Carrão/Vila Formosa
Região Episcopal Belem

domingo, 10 de outubro de 2010

ECONOMIA E VIDA - A BOA INTENÇÃO E O SISTEMA



Há muitas pessoas, grupos e Igrejas que pensam que levar o evangelho ao mundo ou proclamar a conversão ao mundo significa buscar a conversão pessoal de todos. Pensam que o mundo nada mais é que a soma de todas as pessoas; que a sociedade é resultado da soma de todas das ações e atitudes de todas as pessoas. Assim sendo, a mudança das pessoas e de suas ações levaria a mudança no mundo. Na verdade, o mundo e os sistemas econômicos e sociais são muito mais do que a soma das ações dos indivíduos.

O conceito de "sistema" pressupõe que há algo além das ações individuais ou de grupos, que a vontade e ações bem intencionadas de indivíduos ou de agentes coletivos não são suficientes para produzir resultados desejados. Mesmo que esse indivíduo ou grupo tenha muito poder. Muito dos discursos em favor de um "outro mundo possível" centram fundamentalmente na tarefa de convencer as pessoas dessas necessidades. Mas, ao esquecerem ou não darem ênfase suficiente na necessidade paralela de mudança sistêmica, esses discursos acabam se tornando discursos moralistas, discursos que apelam somente para a consciência moral das pessoas.

No campo dos problemas econômicos e sociais, boas intenções e consciência ética são importantes, mas não suficientes se não houver ações políticas que geram transformações no sistema sócio-econômico-político.


Jung Mo Sung http://www.adital.com.br

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Encontro Estadual para Campanha da Fraternidade 2011

O Encontro Estadual para Campanha da Fraternidade 2011 acontecerá de 8 a 10 de outubro no Mosteiro de Itaici, em Indaiatuba (SP). A iniciativa tem o o objetivo de preparar o envolvimento do regional com o tema, e iniciar o processo de planejamento para o período da campanha; estudar o tema e tomar conhecimento dos subsídios produzidos pela CNBB; preparar a atuação dos agentes motivadores da CF no regional Sul 1; analisar possibilidade de gesto concreto e assumir efetivo acompanhamento antes, durante e depois do lançamento da campanha.

Haverá painéis com representantes de vários seguimentos da sociedade para análise da situação atual e da proposta da CF e encaminhamento das ações em conjunto com o regional Sul 1.

Destinado representantes (diocesanos e paroquianos) que estejam engajados na CF ou nos trabalhos pastorais.

A Campanha da Fraternidade 2011 tem como tema “Fraternidade e a vida no planeta” e lema “A criação geme em dores de parto”.

A Pastoral Fé e Política da nossa Paróquia com o trabalho de formação e estudos que desenvolve aqui há dois anos, foi convidada a participar deste evento e a formar a representação deste trabalho dentro da Região Belém.

Com muita humildade e compromisso ao chamado, o convite foi aceito e hoje (08/10/2010) , membros da Pastoral estarão se deslocando para o local.

Pedimos a Deus que os encaminhe e ilumine neste momento de reflexão e que a mesma traga muitos e bons frutos para a nossa Comunidade e as demais da nossa Região.

http://www.cnbbsul1.org.br/

Semana Nacional da Vida e Dia do Nascituro




Porque a Semana Nacional da Vida e Dia do Nascituro
A Semana da Vida é uma ocasião especial para colocar em evidência o valor e a beleza desse Dom precioso que de Deus recebemos. De modo especial para salientar o valor sagrado da vida humana e da sua dignidade, sem nos esquecermos de todas as demais dimensões que esta abrange. Diante de tantas ameaças que atualmente a vida vem sofrendo é nossa missão reafirmar sua importância inestimável. Ela é o fundamento sobre o qual se apóiam todos os demais valores.

Mas quem é o Nascituro?
É aquele ser humano que está no ventre materno antes que a Mãe lhe dê à luz. Este possui o direito de ser respeitado na sua integridade. Tem dignidade como a de qualquer pessoa já nascida.

Por que o tema: "Vida, Ecologia Humana e Meio Ambiente"
A carta encíclica do Papa João Paulo II, Centésimos Annus, nos números 38 e 39, traz uma proposta que foi um pouco esquecida. O Papa fala da necessidade de uma ecologia humana. Nós demoramos 200 anos para entender que não é possível utilizar todo o poder técnico de que dispomos para depredar a natureza, porque a natureza tem a sua própria finalidade, que deve ser respeitada. Respeitar as águas dos rios, as florestas, as espécies animais, o ar, é fundamental. Do mesmo modo, nós devemos entender que é necessário respeitar limites quando se trata da existência humana. A ecologia humana significa uma atenção para preservar a dignidade. Para preservar especificamente o humano do homem. Para que o homem não vire um animal, onde se devora um ao outro.
Bento XVI na Mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2007, recordou que "a destruição do meio ambiente, um uso impróprio ou egoísta do mesmo e a apropriação violenta dos recursos da terra... são fruto de um conceito desumano de desenvolvimento. Com efeito, um desenvolvimento que se limitasse ao aspecto técnico-econômico, esquecendo a dimensão moral-religiosa, não seria um desenvolvimento humano integral e terminaria, ao ser unilateral, por incentivar as capacidades destruidoras do homem" (n. 9).
Ao enfrentar os desafios apresentados pela tutela do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável, somos chamados a promover e a "salvaguardar as condições morais para uma autêntica "ecologia humana" (Centesimus annus, 38). Isto, por sua vez, exige um relacionamento responsável não somente com a criação, mas inclusive com o nosso próximo, de perto e de longe, no espaço e no tempo, mas também com o Criador.

Por que motivo a vida é um bem?
No homem, criado à imagem e semelhança de Deus, reflete-se, em cada fase da sua existência, "o rosto do seu Filho Unigênito... Este amor ilimitado e quase incompreensível de Deus pelo homem revela até que ponto a pessoa humana seja digna de ser amada por si mesma, independentemente de qualquer outra consideração: inteligência, beleza, saúde, juventude, integridade, etc. Numa palavra, a vida humana é sempre um bem, porque "ela é, no mundo, manifestação de Deus, sinal da sua presença, vestígio da sua glória" (cf. Evangelium vitae, 34; Dignitas Personae, 8).

A vida ameaçada pelas forças do mal (Ap 12,4)
João Paulo II, profeta da vida, escreveu na Carta às Famílias, que nos encontramos defronte a uma enorme ameaça contra a vida: não apenas dos simples indivíduos, mas também de toda a civilização. A afirmação de que esta civilização se tornou, sob alguns aspectos, "civilização da morte", recebe assim uma inquietante confirmação. E não será porventura um evento profético o fato de o nascimento de Cristo ter sido acompanhado do perigo para a sua existência? Sim, também a vida d'Aquele que é ao mesmo tempo filho do homem e filho de Deus, esteve ameaçada, esteve em perigo desde o início, e só por milagre evitou a morte.
Nos últimos decênios, todavia, notam-se alguns sintomas reconfortantes de um despertar das consciências: isto verifica-se tanto no mundo do pensamento como na própria opinião pública. Especialmente nos jovens, cresce uma nova consciência do respeito pela vida desde a concepção até o seu declínio natural; difundem-se as comissões de bioética e de defesa da vida, os movimentos pró-vida (pro life). É um fermento de esperança para o futuro da família e da inteira humanidade (cf. n. 21). "É urgente uma grande oração pela vida, que atravesse o mundo inteiro" (Evangelium Vitae, 100)
Durante a "Semana Nacional da vida" acontecerão nas diversas dioceses e comunidades do Brasil várias iniciativas em favor da vida, organizadas por paróquias, associações e grupos de trabalho da Igreja Católica, mas também de outras confissões cristãs ou não cristãs, pois, "o Evangelho da vida não é exclusivamente para os crentes: destina-se a todos" (EV 101).

Sugestões para celebrar Semana Nacional da Vida e Dia do Nascituro
1. "Com iniciativas extraordinárias e na oração habitual, de cada comunidade cristã, de cada grupo ou associação, de cada família e do coração de cada crente eleve-se uma súplica veemente a Deus, Criador e amante da vida" (EV 100).
2. Convidar biólogos para palestras com os alunos e catequizandos sobre o ecossistema e a atuação do homem na natureza.
3. Programar caminhada com as crianças, acompanhadas por um biólogo e por monitores de universidades para conhecerem espécies animais e vegetais existentes na sua região e participarem de trabalhos de conscientização para a preservação do meio ambiente.
4. Desenvolver atividades com recicláveis encontrados nas ruas e praças da cidade e do bairro e criar uma história sobre os bonecos. Fazer uma exposição na comunidade incentivando visitas para uma conscientização de todos para a necessidade de preservar a o planeta.
5. Caminhada para homenagear os pais através do encontro com os filhos e promover uma educação ambiental. Caminhada é uma atividade de lazer, que ajuda realizar um trabalho de conscientização.
6. Criar faixa com frase como: "Pai eu sou o fruto da sua natureza". O objetivo é conscientizar desde a infância para no futuro haver uma mudança de atitudes. Essa atividade das escolas e da catequese criar na criança, desde cedo, uma mentalidade de preservação.
7. Convidar pessoas para falar sobre a cidade, os rios, o verde os animais, etc.
8. Pedir para catequizando para levarem para os encontros recortes de jornal sobre notícias relacionadas à ecologia;
9. Identificar, em sua comunidade, locais como: floresta, riacho, praça, parque, árvore histórica, conjunto de casas e outros, que, pela sua importância, deveriam ser preservados. Mobilizar a comunidade para esta realização, como a Lei Orgânica Municipal.
10. Organizar um mutirão para recolher o livro das praças. Locais com muito lixo trazem insegurança e não se desenvolvem. A limpeza proporciona a organização do espaço permitindo uma maior harmonia local. Organizar um dia de esporte com as crianças e com a presença dos pais e da comunidade para comemorar o dia do nascituro.
11. Instituir na comunidade um dia por mês de "Oração pela Vida", por exemplo, todo dia 25.
12. Promover encontros de casais, pais e filhos, namorados e noivos.
13. Realizar visitas, palestras e debates nas escolas, colégios, universidades e paróquias sobre o tema: "Vida, Ecologia Humana e Meio Ambiente".
14. Conscientizar a comunidade por meio das homilias e artigos em jornais.
15. Mobilizar os meios de Comunicação Social, escrito e falado, para difundir mensagens que promovem e defendem a vida e a dignidade humana.
16. Visitar asilos, orfanatos e maternidades.
17. Convidar médicos, professores, pedagogos, políticos e psicólogos a proferir palestras e participar de encontros, etc.
18. Caminhadas pela vida e pela família nas comunidades.
19. Incentivar vereadores, deputados, prefeitos, governadores, para que promovam leis a favor da vida e da saúde pública.
20. Apoiar programas, leis e políticas públicas que permitam harmonizar a vida laboral da mulher com seus deveres de mãe de família, com atenção especial às empregadas domésticas, às operárias e similares.
21. Visitar, não apenas às famílias, mas também a todos os demais ambientes, como: os locais de trabalho, às moradias de estudantes, às favelas e cortiços, os alojamentos de trabalhadores, as prisões, os albergues, os moradores de rua onde se experimentam valores humanos profundos, que devem ser reconhecidos e apoiados.
23. Intensificar o trabalho de prevenção contra as drogas e o combate à sua difusão
24. Facilitar a difusão de filmes que enaltecem o amor à família, à vida, aos idosos e aos denotes.


Pe. Luiz Antônio Bento
Assessor Nacional da Comissão Episcopal Pastoral
para a Vida e a Família - CNBB

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Ele quer parceria

J. Thomaz Filho

Antes de olhar detidamente para cada uma das nove bem-aventuranças (Mt 5,3-12), vale a pena ter uma visão de conjunto. Não são peças isoladas para decorar este ou aquele ambiente, à vontade do freguês. Bebem de uma mesma fonte, apontam para um mesmo horizonte, compõem uma mesma unidade, são faces de um mesmo prisma revelando as várias colorações do Novo Reino, que é nossa luz, o grande sonho de Deus que quer ser o nosso presente – presente como dádiva, como dom de Deus, e presente como nosso agora, como nosso constante momento atual, como nossa tarefa, como nosso desafio.

Porque Deus é assim: tem um sonho, que partilha para que seja sonho nosso também – pois nos fez à sua imagem (Gn 1,26-27)! E o sonho de Deus se torna realidade por Sua criatividade, por Suas atitudes, por Seu fazer acontecer. A Bíblia inteira, no Primeiro e no Segundo Testamentos, fala disso! Criados à sua semelhança (Gn 1,26), cabe-nos tomá-lo e agir como Ele.

O sonho de Deus não é para as horas do sono, mas para os suores do dia a dia! Foi para isto que nos criou! Jesus chama de Reino o que o Primeiro Testamento chama de paraíso (Gn 1,1-2,25). É a criatividade de Deus contando com a nossa parceria para tornar-se realidade (Lv 19,2; Mt 5,48; Lc 10,37; Jo 13,34; Jo 15,9-17)!

As bem-aventuranças, em Mateus, mantêm a mesma estrutura, apresentando dois elementos: primeiro, o destinatário; segundo, o que lhe está reservado. Para cada destinatário, uma nova realidade. Entretanto, olhando com cuidado, descobrimos que não são nove destinatários, um para cada bem-aventurança, mas um só, cada um de nós, cada mulher, cada homem, cada jovem, cada criança, cada ser humano! Portanto, todos nós! Ninguém está, por princípio, excluído. O Reino é para todos!

Mas não a qualquer preço. Ou melhor, não sem nenhum preço. O preço é cada um moldar-se como destinatário, assumindo as características dos destinatários das bem-aventuranças, ou seja, ser contado entre os pobres, entre os que choram, entre os mansos, entre os sedentos de justiça, entre os que se compadecem, entre os de coração limpo, entre os artífices da paz, entre os éticos, entre os que assumem a causa de Jesus. O Reino se abre para todos como dom de Deus, mas é tarefa de cada um incluir-se, moldar-se para o Reino, torná-lo presente aqui no nosso chão!

Qual a razão para nos moldarmos dentro desses critérios? Ou, em que consiste o Reino de Deus, do qual nascemos para fazer parte? Ou, em que consiste a felicidade para Jesus, e portanto para nós que nos queremos discípulos seus? Ou, em linguagem popular, o que ganhamos com isso?

É a segunda parte do enunciado de cada bem-aventurança que nos dá essas razões de ser: a eles é que pertence o Novo Reino! Novo porque não envelheceu como os nossos reinos, novo porque mantém a originalidade de Deus, novo porque é dinâmico e se inspira na criatividade de Deus, novo porque é dos filhos de Deus, e Deus não caduca. O Novo Reino é a terra possuída pelo consolo, destronando a injustiça, pautando-se pela misericórdia, que é o coração de Deus, é o lar dos filhos de Deus vicejando entre os humanos, desmobilizando os insultos, a mentira, o mal, a perseguição, a morte. Sonho nosso! E de Deus!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

CANDIDATOS BARRADOS FICHA-LIMPA

Caros amigos,
abaixo segue relação de candidatos BARRADOS pelo FICHA-LIMPA.
Além deles, devemos fazer uma análise em quem está associado a estes nomes.

"Diga com quem andas e direi quem és"


SITE CONGRESSO EM FOCO - 27/09/2010 - 07h00

Sinal amarelo - SP

Se você é eleitor em São Paulo, pense bem antes de votar em qualquer um dos candidatos da lista abaixo

Candidatos de São Paulo que foram barrados pela ficha limpa, são réus em ações penais, foram denunciados como integrantes do esquema dos sanguessugas ou foram presos em operações das polícias Civil e Federal

1- Abelardo Camarinha (PSB-SP) – candidato a deputado federal – réu nas Ações Penais 417 (Crime ambiental. Data de autuação: 11/04/2007) e 441 (Crime contra Lei de Licitações e responsabilidade. Data de autuação: 02/08/2007)

2- Aldo Josias dos Santos (Psol) - candidato a vice-governador - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

3- Airton Garcia Ferreira (DEM) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

4- Aloisio Vieira (PSC) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

5- Antônio Aparecido Rodrigues da Silva (PSL) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

6- Antônio Dirceu Dalben (PPS) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

7- Ataide Souza Pinheiro (Psol) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

8- Carlos Aymar Srur Bechara (PSL) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

9- Celso Russomanno (PP) – candidato a governador – réu nas Ações Penais 427 (Crime contra o patrimônio. Data de autuação: 09/05/2007) e 504 (Peculato. Data de autuação: 12/12/2008)

10- Cesar Aparecido Nunes (PT) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

11- Diniz Lopes dos Santos (PR) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

12- Edna Macedo (PSL) - candidata a deputada estadual. Foi uma das deputadas denunciadas pela CPI dos Sanguessugas. Responde ao processo 12907-62.2007.4.01.3600 na Justiça Federal de Mato Grosso pelos crimes de quadrilha ou bando, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

13- Edson Joaquim de Freitas (PP) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

14- Elcio Fiori de Godoy (PPS) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

15- Élio Aparecido de Oliveira (PSC) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

16- Fábio Bello (PMDB) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

17- Fauzi Nacle Hamucle (PP) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

18- Félix Sahão Júnior (PT) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

19- Francisco Esmeraldo Felipe Carneiro (PMN) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

20- Francisco Rossi de Almeida (PMDB) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

21- Gildenor Alves Freire (PT) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

22- Hélio Miachon Bueno (PMDB) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

23- Jefferson Campos (PSB) – candidato a deputado federal – réu na Ação Penal 521 (Corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro. Data de autuação: 15/10/2009)

24- João Carlos Caramez (PSDB) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

25- Joneide Gomes Lopes (PTB) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

26- João Paulo Cunha (PT) – candidato a deputado federal – réu na Ação Penal 470 (Crime contra a administração em geral, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Data de autuação: 12/11/2007)

27- José Genoino (PT) – candidato a deputado federal – réu nas Ações Penais 420 (Falsidade ideológica. Data de autuação: 19/04/2007) e 470 (Crime contra a administração em geral e formação de quadrilha. Data de autuação: 12/11/2007)

28- José Gomes Custódio da Silva (PRP) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

29- José Roberto Tricoli (PV) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

30- Leonice da Paz (PDT) – candidato a dep. estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

31- Liberato Rocha Caldeira (PP) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

32- Liliana Medeiros de Almeida Aymar Bechara (PR) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

33- Luciano Batista (PSB) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

34- Luiz Antônio Dias da Silva (PDT) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

35- Márcio Chaves Pires (PT) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

36- Maria Duarte (PTB) – candidata a deputada estadual - barrada com base na Lei da Ficha Limpa

37- Nelson Morale Junior (Psol) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

38- Névio Luiz Aranha Dartora (PSDB) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

39- Paulo Henrique Pastori (PTC) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

40- Paulo Maluf (PP) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa e réu nas Ações Penais 477 (Crimes contra o sistema financeiro nacional. Data de autuação: 18/03/2008 e 461 (Formação de quadrilha ou bando, crime contra o sistema financeiro nacional, crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos ou valores e competência. Data de autuação: 26/09/2007). Preso em 2005 pela Polícia Federal, acusado de liderar uma quadrilha que cometia crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas no Estado. A prisão foi decretada pela 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo. Além disso, seu nome foi incluído na lista vermelha da Interpol, uma relação com o nome de pessoas procuradas por crimes internacionais. Com isso, o ex-prefeito de São Paulo pode ser preso ao entrar em um dos 181 países que são membros da política internacional. A decisão da prisão pela Interpol não pode, no entanto, ser cumprida no Brasil.

41- Paulo Pereira da Silva (PDT) – candidato a deputado federal – réu na Ação Penal 421 (Estelionato, crimes contra a fé pública e concussão. Data de autuação: 25/04/2007)

42- Paulo Roberto Gomes Mansur (PP) – candidato a deputado federal - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

43- Raimundo Taraskevicius Sales (DEM) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

44- Ricardo Rodrigues Pereira (PCB) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

45- Ronaldo Ferreira da Costa (PPS) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

46- Rosveres Celestino (PSB) – candidato a deputado estadual - barrado com base na Lei da Ficha Limpa

47- Vadão Gomes (PP-SP) – candidato a deputado federal – réu na Ação Penal 364 (Emprego irregular de verbas ou rendas públicas. Data de autuação: 17/12/2003)

48- Valdemar Costa Neto (PR-SP) – candidato a deputado federal – réu na Ação Penal 470 (Crimes praticados por funcionários públicos contra a administração em geral, quadrilha ou bando, crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos ou valores. Data de autuação: 19/04/2007)

Veja ainda:

Outros estados

Ajude a limpar a política

Participe do Prêmio Congresso em Foco

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

MANIFESTO EM DEFESA DA DEMOCRACIA

SÃO PAULO - Juristas e personalidades lançaram, no início da tarde desta quarta-feira, um manifesto em defesa da democracia e da liberdade de imprensa e de expressão, em ato em frente à faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

O documento já foi assinado por cerca de mil pessoas, como o jurista Hélio Bicudo, o Cardeal Arcebispo Emérito de São Paulo, D. Paulo Evaristo Arns, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Velloso, os atores Mauro Mendonça e Carlos Vereza, e intelectuais, como Ferreira Gullar. O ato reuniu cerca de 250 pessoas, segundo a Polícia Militar. O movimento afirma ser apartidário.

Leia na íntegra o manifesto:

MANIFESTO EM DEFESA DA DEMOCRACIA
"Em uma democracia, nenhum dos Poderes é soberano.
Soberana é a Constituição, pois é ela quem dá corpo e alma à soberania do povo.

Acima dos políticos estão as instituições, pilares do regime democrático. Hoje, no Brasil, os inconformados com a democracia representativa se organizam no governo para solapar o regime democrático.

É intolerável assistir ao uso de órgãos do Estado como extensão de um partido político, máquina de violação de sigilos e de agressão a direitos individuais.

É inaceitável que a militância partidária tenha convertido os órgãos da administração direta, empresas estatais e fundos de pensão em centros de produção de dossiês contra adversários políticos.

É lamentável que o Presidente esconda no governo que vemos o governo que não vemos, no qual as relações de compadrio e da fisiologia, quando não escandalosamente familiares, arbitram os altos interesses do país, negando-se a qualquer controle.

É inconcebível que uma das mais importantes democracias do mundo seja assombrada por uma forma de autoritarismo hipócrita, que, na certeza da impunidade, já não se preocupa mais nem mesmo em fingir honestidade.

É constrangedor que o Presidente da República não entenda que o seu cargo deve ser exercido em sua plenitude nas vinte e quatro horas do dia. Não há “depois do expediente” para um Chefe de Estado. É constrangedor também que ele não tenha a compostura de separar o homem de Estado do homem de partido, pondo-se a aviltar os seus adversários políticos com linguagem inaceitável, incompatível com o decoro do cargo, numa manifestação escancarada de abuso de poder político e de uso da máquina oficial em favor de uma candidatura. Ele não vê no “outro” um adversário que deve ser vencido segundo regras da Democracia , mas um inimigo que tem de ser eliminado.

É aviltante que o governo estimule e financie a ação de grupos que pedem abertamente restrições à liberdade de imprensa, propondo mecanismos autoritários de submissão de jornalistas e empresas de comunicação às determinações de um partido político e de seus interesses.

É repugnante que essa mesma máquina oficial de publicidade tenha sido mobilizada para reescrever a História, procurando desmerecer o trabalho de brasileiros e brasileiras que construíram as bases da estabilidade econômica e política, com o fim da inflação, a democratização do crédito, a expansão da telefonia e outras transformações que tantos benefícios trouxeram ao nosso povo.

É um insulto à República que o Poder Legislativo seja tratado como mera extensão do Executivo, explicitando o intento de encabrestar o Senado. É um escárnio que o mesmo Presidente lamente publicamente o fato de ter de se submeter às decisões do Poder Judiciário.

Cumpre-nos, pois, combater essa visão regressiva do processo político, que supõe que o poder conquistado nas urnas ou a popularidade de um líder lhe conferem licença para rasgar a Constituição e as leis. Propomos uma firme mobilização em favor de sua preservação, repudiando a ação daqueles que hoje usam de subterfúgios para solapá-las. É preciso brecar essa marcha para o autoritarismo.

Brasileiros erguem sua voz em defesa da Constituição, das instituições e da legalidade.

Não precisamos de soberanos com pretensões paternas, mas de democratas convictos."